quinta-feira, 14 de maio de 2009

Obviamente


Depois de uma semana de divulgação em escolas e faculdades, o gramaticopatas não poderia fugir deste tema: borboletas.

Muito já foi dito. Mesmo assim, analisemos alguns versos:

Numa noite estranha, a gente se estranha e fica mal
Você tenta provar que tudo em nós morreu
Borboletas sempre voltam
E o seu jardim sou eu.


Victor e Leo: uma verdadeira aula sobre palavras homófonas perfeitas. Estranha é a noite, estranha é um adjetivo. A gente se estranha e eis um verbo com a mesma escrita e com a mesma pronúncia do adjetivo.
Palavras homófonas criam um efeito bem interessante na produção de textos. Um bom exemplo é a última imagem do seguinte texto.

(...)
De volta! A ambiguidade da frase "Família muda vende tudo" está na palavra muda. Pode ser um adjetivo ou um verbo. Mais um exemplo de homonímia.
Voltando ao princípio dessa nossa conversa, responda uma questão, amigo internauta: como você avalia a metáfora da borboleta? Esta associação entre a pessoa amada e uma borboleta é interessante, curiosa ou estranha? Fique à vontade. Expresse seus predicativos sobre esse assunto.
A minha avaliação sobre a metáfora, você vê e ouve aqui.

16 comentários:

  1. "Família muda vende tudo"

    eu adorei isso aqui parece algo do lirinha

    "a cidade muda muda "
    quem não tem coragem de falar acaba se deixando levar , quem se muda pode querer moveis novos ... mas pedimos : fale , mude , mude a postura e compre moveis novos ou não , venda os antigos e faça uma viagem!

    ResponderExcluir
  2. Numa noite estranha, a gente se estranha e fica mal
    Você tenta provar que tudo em nós morreu
    Borboletas sempre voltam
    E o seu jardim sou eu.

    as borboletas sempre voltam , sim os sentimentos não morrer , mas os jardins , eles mudam de cidades , de predios e corações... então o moço ou a moça vem com o papo que vc sempre precisa do jardim , fale assim : desculpe , é que o jardim em que costumava voar,esta não muito bem frequentado... há moscas e mosquitos da denqgue , voarei em outros lugares , e pode ter certeza : vou arrumar um belo jardim!

    ResponderExcluir
  3. A amada pode até ser comparada a uma borboleta, mas nem sempre as borboletas voltam para o mesmo jardim. Se as flores deste jardim já não forem mais atrativas, a borboleta pode simplesmente encontrar um bem melhor no meio do caminho.

    ResponderExcluir
  4. Rá, não vamos esquecer da perola do 3º saúde do sapiens by Clíssia:
    de onde é que vem esses olhos tão tristes?
    Ailton diz: Acho que está faltando algo ai...
    Clissia diz: É claro, o ritmo... (8) De onde é que vem.. (8) kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  5. é ESTRANHA com um grau INTERESSANTE de CURIOSIDADE. :D

    "A GRAMÁTICA ME FASCINA"

    ResponderExcluir
  6. Umm.. Aílton sempre inventando modas.. a moda agora é usar músicas em aulas de gramática... Amo suas aulas .. ;-) beijos

    ResponderExcluir
  7. É curiosa porque as borboletas SEMPRE voltam, interessante por elas voltarem e estranha por saber que borboletas e pessoas podem voltar ou não. Confuso, né?

    ResponderExcluir
  8. prof,achei a foto da placa q dizia: _aqui não pega oi,nem tim,nem claro,nem no escuro... !!! tá no meu orkut,samara.gabriele@hotmail.com,na minha página de recados!!bj

    ResponderExcluir
  9. prof a foto está no meu orkut,na minha página de recados,o endereço é samara.gabriele@hotmail.com,caso não consiga visualizar,me envie seu e-mail!!

    ResponderExcluir
  10. Aaaa... o Fher Olvera falando ou cantando, é algo que me mata por dentro. Ow timbre lindo meu pai. Mas vamos lá.

    "É como uma borboleta
    voa e pousa, vai de boca em boca
    fácil e ligeira a quem te provoca"

    (Primeiros versos de Mariposa Traicionera)
    Voa.
    Quem de nós, seres humanos, voa?
    Pooooooommm! Issooo... o super homem!
    Tá... vou parar com a brincadeira.

    Mas certamente vc conhece uma música do Maná chamada "En el muelle de San Blás":

    "...E pelo mar se apaixonou
    e seu corpo se enraizou no cais"
    Eu sempre vejo amor como um desejo de ter algo impossível (pelo menos por mais tempo). O encanto que a borboleta proporciona com o bailar de suas asas, e aquelas piruetas no ar faz o amor se manifestar em olhos arregalados, mãos trêmulas, coração saltitante e desejo de fazer com que o tempo pare.

    O que importa é o movimento, são as ações inesperadas da borboleta que vão fazer brilhar os olhos de quem a admira. Mesmo que seja um tombo (até o tropeço há de ser lindo).

    A pessoa que ama é uma mera espectadora das borboletas, das ondas, das folhas que os ventos arrastam, e dos movimentos gentis ou/e ousados de alguém que faz com que tudo pareça um...conto de fadas.


    (porque que asas de fadas brilham mais e são mais belas que uma borboleta inteira)



    .
    .
    .


    P.S.: Não, eu não uso drogas...hahahah! Mas sou uma mera espectadora dos ventos que arrastam coisas. ^^.

    ResponderExcluir
  11. Posso mostrar uma placa?

    http://images.orkut.com/orkut/photos/OgAAAM037HZh94rRS-Wn5Ld2fl_C9zyEDqJ1zcJZCh4kk3qbXRwKQDH2vGOe1AO2N0zmk0VRvV7GgLPT_8hpDlNNqQ0Am1T1UBmDYUXid9Br84l_qnyxjoGMiF-Y.jpg

    ResponderExcluir
  12. Essa foto é da escritora de "100 escovadas antes de ir para a cama", Melissa Panarello.
    Já leu? Gostou?

    Assisti sua palestra hoje no bate-papo literário no SaliPi e gostei muito, resolvi entrar no Blog. Também gostei bastante. Sou muito³ gramaticopata, rs...

    Parabéns, um abraço.

    ResponderExcluir
  13. Não sou gramaticopata. Sou gramaticofobica, porém adorei a sua luz gramatical sobre o mundo.
    E após observar a sua analise admiro mais ainda os talentos que pouco conhecem e ainda assim fazem uso dos recursos gramaticais por pura intuição.
    Professor, seu blog ficou mara.
    Joyciane

    ResponderExcluir